Magia Rubro Negra


FOME DE FLAMENGO – POR PAULO LIMA via MUNDO FLAMENGO by @fabiojustino
29/09/2009, 22:00
Filed under: Colunas

AngolaUSA

Paulo Lima. EASTCHESTER (NY), Estados Unidos

Quando estamos longe do que verdadeiramente gostamos, qualquer longínquo sinal é valiosamente valorizado. Quando se trata de Flamengo, a emoção transcende. Especialmente ao se deparar com qualquer vestígio de rubro-negrismo num subúrbio de Nova York, em um país que repulsa o futebol, é ingrediente que contribui ainda mais com algo cujo significado ultrapassa a palavra saudade.

Ser Flamengo no exterior é ouvir o coração palpitar só de ver pessoas vestidas com roupas listradas de vermelho e preto. É quase não dormir ao ver gringos com o Manto – sim, em pouco mais de um ano vi dois nativos, sim, nativos, com a camisa do Flamengo. Infelizmente não tive a chance de indagá-los, conhecê-los, entrevistá-los, convidá-los para um chopp regado a partida do Mais Querido.

Imagine então todo este flamenguismo incubado ao receber humildes, mas verdadeiras lembranças. Meu pai chegou do Rio hoje pela manhã, e me aproximei do abrir de sua mala como uma criança que espera ansiosa pelo brinquedo:

– Cadê? – indaguei.

Era ele. O Manto Sagrado, novinho em folha. Não o mais atual, já que não tinha as horríveis mangas da Bozzano. E de longe um dos mais feios que já vi. Não importa. Ele estava lá. Manto é Manto. Em Copa, em Eastchester ou na Groenlândia. Existe para ser usado e dele se sentir orgulhado. Jamais julgado.

fla 

Junto ao Manto, mais “doces” – dois livros do Flamengo (o “Rei do Rio”, do Celso Unzete, e a “História do Mais Querido em quadrinhos”, do Mestre Ziraldo), o DVD do Penta Tri e um chaveirinho que não só exibe o escudo mas canta parte do Hino. Ah! E um par de revistas com Adriano na capa, assim como um jornal “Vencer” de algumas semanas atrás.

Pode parecer mera bobagem. Mas essa pequena injeção de Flamengo é o que renova, o que nos mantém vivos. A aproximação em função da TV a cabo e da internet é inevitavelmente um advento fantástico. Mas são os pequenos detalhes que afirmam a conexão clubística. São as REFERÊNCIAS.

Jamais terei como ensinar minha filha a SER Flamengo assistindo a um jogo de futebol. Mesmo os adultos fãs do esporte têm dificuldades de se concentrar nas pelejas atuais, imagine uma criança de 3 anos.

Mas uma fã de quadrinhos como ela já é, certamente vai se interessar em acompanhar os primeiros passos do Flamengo, e suas glórias, com as páginas de Ziraldo. Voltarei a este espaço para relatar a experiência.

Diante de tudo isto, fica a pergunta:

Como um clube de vocação mundial como o Flamengo não mantém uma política específica com o pessoal de fora do Brasil, ou mesmo de lugares mais distantes do Rio?

Queremos nos alimentar de Flamengo. Mas a comida, se já não é escassa, certamente ainda é muito pouco nutritiva. Temos fome de Flamengo. Não quero só diversão e arte.

Paulo Lima, 29, é jornalista de formação, rubro-negro de coração e servidor público por opção. Mora em Eastchester (NY) e só sente saudades do Brasil e do Rio pela distância do Flamengo. Gerente do Blog MUNDO FLAMENGO, mais um grande parceiro do MAGIA RUBRO NEGRA.

MAGIA NELES!
EQUIPE Magia Rubro Negra
fabio@magiarubronegra.com.br

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: