Magia Rubro Negra


A Primeira Vez, Ninguém Esquece by Bruno Cazonatti
29/12/2010, 0:01
Filed under: Colunas

Terminava o ano de 1963, já ia dezembro pelo meio. O movimento das ruas nem de longe espelhava a frenética instabilidade desenvolvimentista que as novas décadas impunham. Naquele dia havia um ar de expectativa em tudo e em todos. Algo de muito importante estava para acontecer, indicavam evidências fortes, só restava saber o quê.

Num apartamento de conjunto habitacional do subúrbio podia ser sentido esse clima de uma forma tão concreta quanto o amálgama de cada bloco dos prédios. Os fluídos eram permanentes, inesgotáveis e a vida sublimemente metafísica. A princípio, um domingo como tantos outros. Alvorada festiva dos fogos de artifício saúda o padroeiro do dia ou anunciam o time de futebol da várzea local, quem sabe ambos. O dia, contudo, nasceu diferente. Daqueles em que se acorda com um peso no peito, um nó na garganta, a sensação de que o mundo será outro quando se voltar à cama para encerrá-lo.

Como não se deve fugir de responsabilidade, o menino criou forças, se levantou e iniciou a rotina dominical. Obrigatória e rápida passada pelo banheiro, café da manhã tomado por decreto e lá estava ele dividindo o jornal com o pai, se esgueirando mais pelas letras que tanto lhe fascinavam do que pelas notícias que aqueles atraentes símbolos compunham.

A preocupação estampada nos olhos semicerrados do pai ao ler as manchetes sinalizava o que o bater mais apressado do coração infantil já sabia: tratava-se de um momento especial.

Antes mesmo do tradicional e respeitoso bom dia, veio a confirmação de que a data seria marcante:

– Filho, hoje você vai conhecer o Maracanã. Vamos ao Fla x Flu que decide o título para você ver bem de perto o Fluminense ser campeão!

Para uma criança apaixonada por futebol soou mais do que um convite, era uma convocação. Pulou do sofá como se já estivesse atrasado e foi contar a novidade à mãe. Na verdade não se sentia confortável por deixá-la em casa, pois aos domingos sempre saíam todos juntos. Porém, era razoável que ele entendesse que o tumulto de uma partida de futebol não combinava com mulher grávida, ainda mais uma final de campeonato. Por outro lado, seria inseguro para ela e não seria para ele?

Enfim, a decisão que interessava era a do campeonato e o entusiasmo dele era maior do que os seus questionamentos. Tratou de separar a sua melhor roupa, considerando a importância do compromisso. Foi difícil convencê-lo de que um jogo de futebol, especialmente um Fla x Flu que resolveria o campeonato, não exigia trajes formais. A fase seguinte foi uma penosa e angustiante espera, uma vez que o jogo aconteceria somente à tarde.

O transcorrer daquela manhã pareceu uma eternidade e a ansiedade um enorme combustível para um rico imaginário. Sua mente repetiu todos os lances gravados nas locuções do rádio que o pai costumava ouvir. A exatidão das descrições lhe povoava a memória como um filme que só ele podia assistir. Milhares de pessoas, ídolos em campo, lances espetaculares,  defesas fantásticas dos goleiros, gols, comemorações junto à torcida. Muito mais rápido do que imaginava, chegou a hora de sair.

Um percurso impressionantemente curto, porque vencido pela rapidez de sua curiosidade, e chegaram ao estádio. Era muito maior do que os seus sonhos, um colosso diante de um microscópico visitante. Muita gente, uma multidão se aglomerando e nem por isso se sentiu incomodado. Era como se fossem todos parte de um mesmo corpo, uma entidade única, a imensa massa de adoradores e o concreto do templo.


Após ultrapassarem os corredores de acesso, em meio ao turbilhão de clamores ecoados nos túneis escuros, a claridade revelou o campo. Passado o susto, a sensação de papéis invertidos foi inevitável, porque até a bola rolar são os torcedores que fazem o solo numa ópera popular. As dimensões lhe assombravam. Tudo gigantesco, dos cânticos da torcida à arquitetura do local. Sentado nos ombros do pai, ele analisava o gestual, a aflição e as expressões de quem estava mais próximo.

Observava também a movimentação dos craques, o balé refinado dos dribles e das jogadas de efeito, pensou até ouvir o baque surdo de cada chute. Com o início do jogo uma onda de tensão envolveu a todos. A emoção tomou conta do garoto de tal forma que ele entrou em êxtase. De repente, despertado do transe que o manteve isolado, a torcida explodiu e ele julgou ter visto um gol. Engano dele, o jogo terminara e a maioria dos presentes vibrava intensamente. Por instinto ou por catarse ele se integrara à comemoração.

Dançava nos ombros do pai com o desembaraço de um veterano de muitas conquistas. Foi quando o pai chateado o repreendeu, alertando que o campeão não era o tricolor das Laranjeiras. Ótimo, ele não torcia mesmo pelo Fluminense! O seu coração estava tão feliz que era impossível estar equivocado. Foi iniciado como rubro-negro naquela tarde em que um sonho de infância se tornou realidade e ele conhecera o maior estádio de futebol do mundo.

– Pai – confessou num misto de alegria e alívio – eu sou Flamengo.

– O que é isso, filho? Nós torcemos pelo Fluminense!

– Você torce, pai. Eu torço por esse time que tem uma torcida que quase enche o estádio sozinha e não precisa ganhar nem fazer gol para ser campeão! MEEENGOOO!

E voltaram para casa marcados de maneira irreversível pelo impacto daquele dia inesquecível para os dois. Até morrer o pai não deve ter se conformado por ter escolhido justo aquele jogo para a estréia do filho como torcedor. O Fla x Flu que decidiu o campeonato de 1963, um jogo tão significativo quanto a decisão que o menino resolvera tomar, se opondo ao maior ídolo, no dia do seu primeiro Maracanã.


Magia Neles!

COLABORADOR Magia Rubro negra
Twitter: @alexandrecpf

Anúncios

4 Comentários so far
Deixe um comentário

Sensacional, André!
“Eu torço por esse time que tem uma torcida que quase enche o estádio sozinha e não precisa ganhar nem fazer gol para ser campeão!”

Essas histórias são difíceis de não nos emocionar. Quem consegue ficar indiferente à paixão de uma criança? Todo rubro-negro já nasce com essa paixão no sangue. Os que se tornam com o tempo, apenas demoram pra descobrir o rubro-negrismo que sempre tiveram.
Sonho com o dia que levarei meu filho pros estádios todo vestido de Flamengo dos pés à cabeça.
Parabéns pelo lindo texto e show nas imagens!

Comentário por Renato Croce (Alexi Lalas)

Corrigindo: Alexandre.
E as imagens do André. rs

Comentário por Renato Croce (Alexi Lalas)

essa é a Alegria de ser Rubro-Negro

Comentário por Guimarães DF

“Num apartamento de conjunto habitacional do subúrbio.” – Acho que conheço alguém parecido.

– Pai – confessou num misto de alegria e alívio – eu sou Flamengo.

– O que é isso, filho? Nós torcemos pelo Fluminense!

– Você torce, pai. Eu torço por esse time que tem uma torcida que quase enche o estádio sozinha e não precisa ganhar nem fazer gol para ser campeão! MEEENGOOO!

Temos uma história bastante parecida. Nossos pais tricolores e nós rubro-negros.

Acho que os dois nos papos lá em cima continuam dizendo que nos não temos jeito mesmo.

Não precisa nem dizer que achei a cronica de hoje
fabulosa.
Valeu,Grande. A pena continua afiada.
Renato

Comentário por renato luiz




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: