Magia Rubro Negra


ONZE HOMENS E UM SEGREDO by @fabiojustino
13/12/2010, 1:01
Filed under: Colunas, Fla Memória

“Fábio, o grande segredo desse time, é que éramos muito amigos. Tão amigos quanto profissionais. E amizade somada a profissionalismo, sempre será sinônimo de vitória. Abraços, Júnior (Capacete)”

Se alguns historiadores, consideram Charles Miller – um britânico nascido em São Paulo – o introdutor oficial do futebol no Brasil. Quem será o “pai” do futebol arte?  Quem é o responsável pelo jogo que encanta? Pela partida que hipnotizava, o toque na bola que enlouquecia, arrastava multidões, emoções e adversários?

Seria esse time… o Santos de Pelé? O Botafogo de Garrincha? ou o São Paulo de Telê?

Para nós, OS RUBRO NEGROS (e grande parte dos admiradores deste extinto futebol)… essa pergunta é inútil e talvez a discussão também seja. O maior e melhor time da história, vestia VERMELHO e PRETO. O clube de coração do presidente do Barcelona, do Zico e do Garrincha… esse sim é o time que endoidou o Brasil, encantou gerações, nações e a própria galáxia. Ao contrário do que muita gente afirma, esse time não podia jogar por música, nesse FLAMENGO sobravam maestros e regentes. Havia excesso de batutas e escassez de adversários a altura.

Coube ao destino colocar em ‘nosso’ caminho um fortíssimo candidato para desbancar a seleção NEGRA e RUBRO. Após uma campanha quase perfeita na Libertadores – 14 jogos e apenas uma derrota – o PODEROSO MENGO precisava encarar e calar o Liverpool, grande favorito por ser o maior time da época. O time inglês havia superado Bayern de Munique e Real Madrid nas duas últimas fases da Copa dos Campeões da UEFA. Mesmo vencendo o Cobreloa vinte dias antes em Montevidéu, o FLAMENGO ainda convivia com o ‘tal’ estigma: Time de Maracanã e esse – sem dúvidas – era o momento perfeito para acabar de uma vez com isso.

Chegara enfim o tão esperado 13 de dezembro de 1981. Os números eram impressionantes. O ano mágico, havia começado com um 2 x 0 em cima do São Paulo em pleno Morumbi (Adílio e Nunes). O FLAMENGO estava prestes a encerrar o ano em sua 78ª partida com a inacreditável marca de 47 vitórias, 22 empates e apenas 9 derrotas, isso mesmo, 9 derrotas em uma temporada. Somado a isso, 166 gols pró e 60 gols contra. Entretanto, esses números não entrariam para a história, caso a vitória não viesse. O que seria comprovado logo, logo… o FLAMENGO “arrebentou” os ingleses (3 x o no Japão) fora o baile e transformou o universo, o Brasil, o Rio de Janeiro em uma gigantesca passarela do samba.

Dos 11 homens que venceram a Libertadores para os 11 que trouxeram o Mundial, apenas Lico no lugar de Nei Dias, nada mais. Esse mesmo FLAMENGO já havia vencido em 81, o Torneio Internacional de Punta Del Leste no Uruguai (1 x 1 com o Grêmio/RS), o Torneio Internacional de Napoles na Itália (5 x 0 no Nápoli), a Taça Guanabara, o 3º turno do Campeonato Estadual, o próprio Campeonato Estadual, um amistoso contra o Boca Juniors de Maradona e o Cobreloa do Chile pela Taça Libertadores da América.

Com essa relação de conquistas, encerro a homenagem do MAGIA RUBRO NEGRA aos maiores campeões da NOSSA HISTÓRIA DE ORGULHO E TRADIÇÃO. Hoje 13 de dezembro de 2010, 29 anos depois do nosso mundial, temos que comemorar muito esse título. Não somente hoje, mas enquanto o VERMELHO e PRETO existir, enquanto for possível ouvir um grito de gol do FLAMENGO e avistar uma bandeira RUBRO NEGRA tremulando em qualquer canto dessa galáxia.

MAGIA NELES!
EQUIPE Magia Rubro Negra
fabio@magiarubronegra.com.br
TWITTER: @fabiojusttino



Pessoas Imprescindíveis:uma homenagem a Stuart Angel by vivimariano
09/12/2010, 14:24
Filed under: Fla Memória, Magia Divulga

Um clube sem memória não é apenas um clube sem passado. É um clube sem futuro. Sempre pensamos nisso quando se trata de um país. E o que é o Flamengo ? Uma Nação. Pensando nisso, o Magia faz questão de destacar a homenagem que o Clube de Regatas do Flamengo e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SHD/PR) programaram para o estudante Stuart Angel – morto pelo regime militar – que praticava no clube diversos esportes, tendo inclusive conquistado o bicampeonato carioca de Remo, em 1964 e 1965.

De remos em punho, em formação utilizada apenas em ocasiões especiais,   doze atletas perfilados reverenciam o jovem que defendeu as cores do Flamengo.  Essa imagem, faz parte da inauguração do memorial “Pessoas Imprescindíveis“, no clube, em parceria com o projeto Direito à Memória e à Verdade, da SDH/PR, que tem o objetivo contar a história das vítimas do último período de ditadura no Brasil, resgatando a trajetória de operários, estudantes, profissionais liberais e camponeses que se engajaram em organizações de esquerda para combater o regime militar. Morto sob tortura em 1971 pelas forças de repressão política da ditadura militar (1964-1985), Stuart era estudante de economia, militante do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) e filho da estilista Zuzu Angel. Seu corpo nunca foi entregue à família. Os tempos idos, nunca esquecidos ! Resgatar a memória do nosso clube é parte essencial do orgulho de ser rubro-negro.

Magia Neles!
EQUIPE Magia Rubro Negra
paixão@magiarubronegra.com.br
Twitter: @magiarubronegra



1916: Ao Campo de Football! É o Flamengo em Belém do Pará by Cacau
29/11/2010, 16:00
Filed under: Colunas, Fla Memória, Tesouros do Magia, Videos

O presidente do Brasil era Venceslau Brás. O Rio de Janeiro era governado por Nilo Peçanha. O ingresso do football era comprado em Mil-Réis. O uniforme era o Cobra Coral e havíamos acabado de conquistar, invictos, nosso segundo Campeonato Carioca.

Este era o cenário da primeira excursão Rubro-Negra ao Norte do país, mais especificamente à Belém do Pará, para uma série de amistosos. E foi de lá que trouxemos um belíssimo troféu que atualmente está em exposição na Gávea mas, daqui a um ano, no Museu Flamengo. Quem nos conta a história dessa odisséia é Luiz Fernando Pessoa Pinheiro, Conselheiro do C.R.Flamengo. Divirtam-se!

Magia Neles!
EQUIPE Magia Rubro Negra
paixao@magiarubronegra.com.br
Twitter: @magiarubronegra



Um Museu Para Chamar de Nosso! by Bruno Cazonatti
16/11/2010, 20:26
Filed under: Colunas, Fla Memória

Onde tem Flamengo, sempre tem Magia Rubro Negra. E no lançamento da pedra fundamental do Museu do clube, nossa equipe mais uma vez marcou presença. A cerimônia deu início às obras de construção do local que vai preservar toda a história de glória do Mais Querido do Brasil.

O evento também contou com uma Cápsula do Tempo, onde diversas matérias atuais sobre o Flamengo, textos de dirigente, torcedores, blogueiros e de estudantes, e mensagens de ídolos do clube foram guardados. A caixa foi fechada e só vai ser aberta novamente daqui a uma década, quando o Flamengo completar 125 anos. Toda a ação só foi possível graças à Olympikus, que tem se mostrado uma verdadeira parceira do Flamengo e sua relação com o clube vai muito além do fornecimento de material esportivo!

O Museu do Flamengo ocupará dois andares e vai reunir diversas peças que ajudam a contar toda a história do clube. Além dos inúmeros troféus, haverá espaço também para uniformes usados pelos craques do passado, bolas de partidas históricas, fotos e um ambiente totalmente interativo e multimídia.

@cazonatti @fabiojusttino @fhollanda @leomagamon @vivi_mariano @tudoemsimas

Durante o evento, nossa equipe conversou com muita gente bacana, além de ídolos que ajudaram a construir esta paixão que todos nós sentimos pelo Flamengo.

Em breve, vocês poderão curtir toda a cobertura em vídeo feita pelo nosso colunista Leomagamon. Aguardem! Aproveitamos para agradecer mais uma vez aos amigos da VipComm, OLK e a todos os rubro-negros que confiam e acompanham o trabalho desenvolvido pela nossa equipe. Muito obrigado a todos!

Magia Neles!
EQUIPE Magia Rubro Negra
paixão@magiarubronegra.com.br
Twitter: @magiarubronegra



115 ANOS DE FLAMENGO by @fabiojustino
15/11/2010, 12:00
Filed under: Colunas, Fla Memória

“Não há palavras com que eu possa definir o que é Flamengo, não há palavras com que eu possa exprimir o que é ser Flamengo, a gente só pode sentir”. Luiz Ayrão

IMAGEM: @Leomagamon (Arquivo Pessoal)

Há exatamante um ano, o FLAMENGO aplicava uma convincente enfiada de 2 x 0 no Náutico em pleno Aflitos, tornava clara e cristalina a velha máxima do “DEIXOU CHEGAR”. Hoje – 15/11/2010 – infelizmente o cenário é completamente oposto, o risco da queda existe e alguns – absurdamente – afirmam que face a esse temeroso momento não existem motivos para comemorações. Discordo (concordo com o temeroso e discordo da não comemoração) e argumento. O FLAMENGO ‘lembra’ futebol, mas seus 115 anos devem-se principalmente ao REMO, o motivo principal do ‘sobrenome’ REGATAS. O CRF é mais que uma jogada displicente do fulano de tal, muito maior que a falta de objetividade do ciclaninho ou as seguidas falhas do beltrano. O FLAMENGO é maior que as falcatruas provadas e não comprovadas de uns e outros, que as fanfarronices do jogador tal e a falta de comprometimento de A, B ou C. A principal organizada do MENGO canta com maestria: “Os anos passam, se passam jogadores, mas fica tu Flamengo e eu não paro de te amar”.

Ainda não nasceu alguém que defina o que é ser, torcer, respirar e viver o FLAMENGO. Talvez a instituição complete milhares de anos e isso ainda levante polêmicas e seja motivo de extrema relevância para discussões inteligentes. O que é ser FLAMENGO? O que ELE ignifica? A questão é complexa, tão complexa que um tricolor tentou explicar. Perdeu seu tempo. Vestir esse manto e sentir-se a pessoa mais importante da galáxia não dá margem para definições. Acompanhar o FLAMENGO onde quer que ele jogue, ter aquela sensação infinita de ser parte do contexto, também não explica. Comprar um barco chamado Sycra, reunir a galera e fundar um grupo… dimensiona, mas também não trás o porque. Iniciar com azul e ouro em listras largas e horizontais faz parte do registro, dá lugar ao vermelho, ao preto e continua sem nos permitir explicar (porém entender) o que é ser FLAMENGO. Luiz Ayrão cantou e eu assino embaixo: “Não há palavras com que eu possa definir o que é Flamengo, não há palavras com que eu possa exprimir o que é ser Flamengo, a gente só pode sentir”.

O relógio marca 01:29 da manhã e eu desisto de mensurar, não há como exemplificar o inexplicável, tornar concreto o abstrato ou traduzir em palavras o que só conseguimos sentir. Deixo a missão (impossível) para os poetas e meus agradecimentos aos homens que não faziam a menor idéia do que criavam, algo tão sublime que mesmo 115 anos depois, não há ninguém que possa explicar.

MUITO OBRIGADO: Domingos Marques de Azevedo, Francisco Lucci Colas, Nestor de Barros, Felisberto Cardoso Laport. Destacados como sócios fundadores José Agostinho Pereira da Cunha, Napoleão Coelho de Oliveira, Mário Espínola, José Maria Leitão da Cunha, Carlos Sardinha, Maurício Rodrigues Pereira, Desidério Guimarães, George Leuzinger, Augusto Lopes da Silveira, João de Almeida Lustosa e José Augusto Chairéo, os três últimos não foram à reunião, mas também são  considerados sócio fundadores. Assim como nós que não calçamos chuteiras, mas entramos em campo, não recebemos um centavo do clube e condicionamos triunfos a nossa presença, derrotas a nossa ausência e principalmente… temos certeza que a vitória não acontece, quando nossos gritos e palmas são insuficientes.

Ao RUBRO NEGRO da Urca, do Leme e de Belford Roxo. Ao RUBRO NEGRO da Rocinha, de Nova Iguaçú e da China. Ao RUBRO NEGRO de São Paulo, Nova Jersey e da Polônia. A todos os RUBRO NEGROS da Galáxia.

Ao RUBRO NEGRO que vai a todos jogos, seja em outro país ou em outro estado. Ao RUBRO NEGRO que conhece todos os atalhos do Engenhão, Moça Bonita, Maracanã, Gávea, Alair Corrêa… e principalmente ao RUBRO NEGRO que vai morrer sem nunca ter vestido uma camisa oficial do clube de coração, não verá o FLAMENGO jogar em sua cidade, no Maraca ou em qualquer outro estádio do mundo e jamais será considerado por algum RUBRO NEGRO, mais ou menos FLAMENGO que um morador da Gávea ou do Engenho de Dentro… a todos, sem distinção, meus sinceros e emocionados PARABÉNS.

Feliz 115 anos. Comemore sempre e acredite mais ainda… nossa história não será rebaixada.

Com fé e…


MAGIA NELES!

EQUIPE Magia Rubro Negra
fabio@magiarubronegra
TWITTER: @magiarubronegra



Inspire-se com a Charanga Rubro-Negra! by Cacau
12/10/2010, 12:27
Filed under: Colunas, Fla Memória

Sim, eu sei que é dia das Crianças, mas não posso deixar passar em branco o aniversariante ilustre da semana: há 68 anos nascia a Charanga Rubro-Regra, a primeira torcida organizada do Flamengo e do Brasil. A ocasião era o Fla x Flu da final do Carioca de 1942 e nossos heróis – reunidos por Jaime de Carvalho – não intencionavam necessariamente o título de “filarmônica futebolesca”. Sobre a sua duvidosa musicalidade, o rubro-negro Ary Barroso simplesmente comentou: “Me desculpem, mas isso não é banda nem aqui nem no caixa-prego“.

Reza a lenda que tal iniciativa não foi aceita de imediato pelo meio esportivo justamente porque a Charanga se posicionava justamente atrás do gol adversário e a barulheira desafinada decorrente dos instrumentos não funcionava apenas para apoiar o Mengão, mas para desestabilizar a concentração do goleiro rival.

Com o passar dos anos a Charanga passou a ser o centro das festas das arquibancadas, levando faixas, bandeiras e muita cantoria para inspirar diversas gerações de rubro-negros dentro e fora dos gramados, e serviu como embrião do que conhecemos hoje como o movimento de torcidas organizadas de todo o Brasil.

Viajo fácil no tempo para tentar imaginar a paixão que, em sua forma mais pura, movia essas pessoas num tempo em que se torcia sem TV, sem replay, sem internet e etc e tal. Num tempo de uma outra imprensa onde jornalistas eram cronistas ou poetas e exaltavam o futebol à despeito da rivalidade.

Sou uma saudosista incorrigível e lembrar da Charanga sempre me inspira. Que ela inspire também toda a Nação – da qual ela é célebre personagem – e que tenhamos nós a garra e a raça de apoiar o Flamengo sempre e incondicionalmente. Sim, raça, a mesma raça que adoramos exigir dos jogadores. Nesta reta final do Brasileirão, a bola também está conosco!

Fonte: Flapedia

MAGIA NELES!
EQUIPE Magia Rubro Negra
claudia@magiarubronegra.com.br
TWITTER: @tudoemsimas



Quebra de escrita – Por Nívea Richa e André Costa by nivinhafla
22/08/2010, 0:01
Filed under: Colunas, Fla Memória, Fotos Memoráveis

O jogo desse domingo tem um atrativo a mais. Podemos quebrar outra escrita. Digo outra porque ano passado quebramos contra o Santos na Vila Belmiro. Nunca havíamos vencido o Santos lá em jogos oficiais.

Hoje podemos quebrar um jejum de 36 anos. Isso mesmo, há 36 anos o Flamengo não vence o Atlético-PR em Curitiba. A última vitória foi em 21 de abril de 1974, pelo Campeonato Brasileiro, por 2×1, gols de Zico e Paulinho. O estádio era o Belfort Duarte.

Zico cabeceando a bola no jogo de 1974

A torcida parece agora estar mais confiante e mais tranquila, devido à chegada de reforços para o ataque, que não estrearão hoje, mas que deram uma certa tranquilidade aos torcedores.

Eu acredito que teremos mais uma quebra de escrita. E vocês? Estão confiantes nessa vitória?

Arte: André Costa

MAGIA NELES!
EQUIPE
Magia Rubro Negra
nivea@magiarubronegra.com.br
twitter: @NivinhaFla